quinta-feira, junho 09, 2005

Com o rio nos olhos

Fui ver os Bunny Ranch e os The Flaming Sideburns, uma banda filandesa com um poderoso e bem humorado vocalista argentino; alguém do público grita "MARADONA", ele responde apresentando a banda como um perigoso lance radiofónico. Irradiaram energia pura e toda a gente sabe que depois da primeira vem sempre a segunda e o velho barco, sem alma, sem motor, solta gemidos. Chegam alguns amigos e vai a terceira para empurrar a conversa e o rock. Grita-se, discute-se e argumenta-se. Pela escotilha, o rio ao nível dos nossos olhos espelha o céu, uma traineira saí para a faina rasgando a ponte de água até o areinho. Por momentos é me dificil acredito que estou ali, mas o sacana do tempo, não deixa e escoa-se lesto para o rio debaixo de nós. A luz da manhã ergue-se nas costas, as dragas estão silenciosas, a cidade suspira. Um abraço pela companhia, mas não me perguntes pelas conversas, não me recordo de nenhuma embora tenha a certeza que foram importantes. Nos ouvidos o zumbido do feedback acompanha-me à cama.

2 comentários:

JOSE MANUEL CARVALHO disse...

Ainda não tinha lido este.
Muito bom, sinto falta disso tudo e tu tinhas que o lembrar.
Se calhar o meu mal é que o feedback tira-me da cama.

Nuno Vieira disse...

daqui a umas semanas começa o meu feedback caseiro.