sexta-feira, agosto 12, 2005

Um gelado na praia

Caminhávamos os dois ao fim do dia. Nada como um gelado ao pôr-do-sol. Os meus passos seguindo os teus passos, esmagando a tua fina pegada na areia molhada. O perfil da tua carne branca numa toalha azul. “Passa para a frente. Quero seguir teus passos agora.” Corri até me perder e nesse espaço de tempo o avião explodiu no ar. Transformou-se em segundos numa bola de fogo, fumo e combustíveis fosseis; nenhum passageiro sobreviveu. Até hoje ninguém sabe ao certo o que desencadeou a explosão, embora se fale pelos corredores e hangares da companhia aérea em ataque terrorista? Falha mecânica? Ouço o teu nome na garganta de um pássaro, não são bem as sílabas do teu nome mas é por ti que ele chama.

6 comentários:

francisco carvalho disse...

Nuno, esta última frase é belíssima, belíssima.
Andava há dias para dizer-te isso, não sabia como.
Aquele abraço.

Nuno Vieira disse...

obrigado Francisco, tão dificil como dar um elogio é por vezes recebe-lo.

Carlos disse...

Quem era o puto que estava contigo?

guevara disse...

é mesmo isso...não são bem as sílabas do teu nome...mas é por ti que ele chama!

*PORRA!!!*

Chega a arrepiar...

JOSE MANUEL CARVALHO disse...

Eu destaco mais uma: “Os meus passos seguindo os teus, esmagando a tua fina pegada na areia molhada”
Revive o sentimento protector que é cunho de todas as minhas relações sérias.
Mas, esta merda de destacar frases é um pau de dois bicos. Quando me diziam em miúdo que tinha uns lindos olhos, dava por mim a pensar que era o único ponto de interesse do meu rosto.
Neste caso gostei da cara toda.

Nuno Vieira disse...

Obrigado e bem-vindo...andastes uns tempos desaparecido.