quarta-feira, março 08, 2006

De como gosto...

De como gosto de viver do outro lado do rio,
De levar a minha filha pela marginal,
Quando os galos ensaiam o primeiro cócóró,
Um roncar gasto e aflito de anos de labor.

De como gosto de ver o Porto,
Espelhado nas águas do Douro,
É verdade Leonor, as pontes reparam em ti
Como se fosses a primeira de todo o sempre.

De como gosto da D.Luis da D.Maria da infernal Arrábida.
Das brilhantes novas pontes.
Contraste escuro da minha alma.

Isto é como gosto,
De Ti de Mim de Nós, sim, de todos Nós,
Isto é como gosto do Porto de abrigo do nosso Coração.

4 comentários:

Periférico disse...

Biba O'Porto!

Um abraço

guevara disse...

=)

e que privilégio, não é?

Amor disse...

De como eu gosto de gostar de ti...

Nuno Vieira disse...

corei!