quarta-feira, junho 15, 2005

Sobressalto

Fugíamos do ócio, quarta classe talvez, para fazermos explorações a grutas do subsolo do Porto, uma das quais, segundo fonte fidedigna, um adolescente com mais 10 longos anos que nós, começava na falésia onde pousa o arco norte da Ponte da Arrábida, atravessava a zona da Boavista e continuava em minhoca até Arca de Água. Nunca demos com a entrada por muito que procurássemos e para ser sincero, nunca encontramos nenhum desses túneis. Invariavelmente desistíamos e fumávamos uns Kentucky ou mata-ratos, no topo dos arcos da ponte. Depois, já sem esperança e agoniados, escorregávamos pelos arcos abaixo dentro de uma caixa de cartão. Hoje sobressaltei-me no sono novamente, o cartão, como que movido por vontade própria, tinha outra vez desviado o rumo para o rio.

4 comentários:

JOSE MANUEL CARVALHO disse...

Ohhh tempo
anda para trás
logo verás
o que já fui

Ohhh tempo
diz-me quem sou
tudo passou
contigo a ver

Ohhh tempo
filho da mãe
destes a roubar
e eu também

já agora faz uns acordes e vende á MARISA

Gostei, fez-me lembrar as minhas explorações no tempo da GOMES TEIXEIRA, curtia muito ir para a antiga cervejaria onde construiram os Edifícios Galiza. As galerias ficavam por baixo do PEDRO CEM. E nos telhados as salas eram piscinas que o S. Pedro oferecia.

Nuno Vieira disse...

Também eu passei pelo Gomes Teixeira (sabias que vai fechar, faltam alunos). Lembro-me da cervejaria perfeitamente...antiga CUF. Por lá andamos em explorações, antes de ir ao banho na Rosalia...

Bárbara Vale-Frias disse...

Que engraçado! Eu, que era toda certinha, também fazia algumas explorações quando, à hora de almoço, escapava à porteira do colégio para ir passear com alguns colegas... devia ter uns 11 anos! (só anos mais tarde contei a meus pais!)

Só que as nossas explorações ficavam pelas garagens dos prédios do M.Bica, em Almada! Quando a luz se apagava lá soltávamos uns gritos... tempos giros ;) Inocentes demais...

Anónimo disse...

Eu não tenho jeito para grandes escritas e ainda por cima escrevo com teclado espanhol, que, não tem a porra dos acentos, mas tal como vocês, eu também passei pelo GT e se bem me lembro nas ruínas da CUF para além de exploradores, guerreamos muitas vezes com pedras 1.1 contra 1.2

... Toze...